Rafaela Granja é doutorada em Sociologia pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho (2015) e investigadora no Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS) da mesma universidade. Em 2020, deu início ao projeto “Tracing criminals through family genetic data: Privacy issues, controversies, and expectations on the use of familial searching in criminal investigations”, atribuído no âmbito da 2ª Edição do Concurso de Estímulo ao Emprego Científico Individual promovido pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT). A sua investigação foca-se na vigilância de populações criminalizadas, nas interconexões entre tecnologia, biogenética e criminalização e nas reconfigurações de relações em contexto prisional.