Arquivo

Revistas


Comunicação e Sociedade
(e-ISSN: 2183-3575 | ISSN: 1645-2089) é uma publicação do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade do Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho, dirigida por Moisés de Lemos Martins e financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia. Publicada desde 1999, esta revista tem um rigoroso sistema de arbitragem científica e é publicada duas vezes por ano. Está indexada em diferentes plataformas e bases de dados de revistas científicas, tanto de âmbito nacional como internacional.

Sistemas de avaliação:
Avaliação Qualis Capes (B1)
MIAR (ICDS = 9.8)
ERIH Plus
Latindex (Catálogo)

Bases de dados internacionais:
OpenEdition
SCOPUS
SciELO
Google Schoolar
EBSCO – Academic Search Premier
BASE – Bielefeld Academic Search Engine
CEDAL – Centro de Documentación para América Latina
DOAJ – Directory of Open Access Journals
JournalTOC’s
Open Access in Media Studies
OAIster® database (Mundial)
MLA International Bibliography
Union Catalogue of Serials (ZDB)
Elektronischen Zeitschriftenbibliothek

Catálogos de bibliotecas:
Catálogo colectivo COPAC (Reino Unido)
Catálogo colectivo SUDOC (França)

Repositórios científicos portugueses:
RepositóriUM
RCAAP – Repositórios Científicos de Acesso Aberto de Portugal

A revista Comunicação e Sociedade é membro da REVISCOM (Rede Confibercom de Revistas de Comunicação).

Visualizar publicação

Serviço Público de Média e Participação

Luís António Santos & Nelia Del Bianco

vol.30 - 2016 | CECS-UMinho

ISSN:2183-3575 (online) / ISSN 1645-2089 (print)

“Organizado no âmbito do projeto “Políticas de comunicação, radiodifusão pública e cidadania: subsídios para o desenvolvimento sociocultural em Portugal e no Brasil”, financiado pela FCT (Portugal) e pela Capes (Brasil), este número da revista Comunicação e Sociedade é dedicado à problematização do conceito de serviço público de média (SPM) e aos novos desafios criados pela constante inovação tecnológica, especialmente no que diz respeito à comunicação participativa. Compreendida como uma obrigação inerente à função dos órgãos de serviço público, a promoção da participação necessita de ser encarada como um pressuposto do desenvolvimento social e cultural e, concomitantemente, da emancipação das comunidades” [nota introdutória].