Teresa Alves: nova doutora em Ciências da Comunicação

Realizaram-se no dia 22 de novembro (10h00), na sala de atos do ICS da UMinho (Braga), as provas de doutoramento em Ciências da Comunicação de Teresa Costa Alves. A tese tem orientação de Madalena Oliveira, Professora Associada do Departamento de Ciências da Comunicação da UMinho e investigadora do CECS, e do Professor Doutor Antônio Adami, da Universidade Paulista (UNIP), e tem por título “Os sons da Lusofonia: contextos multiculturais do serviço público de rádio em Portugal e no Brasil”.

Segundo a nova Doutora, “a Lusofonia engloba o espaço onde a língua portuguesa é falada e entendida como a língua mãe da comunicação entre as pessoas. Trata-se de uma paisagem linguística que contempla sonoridades tão distintas quanto a diversidade dos países que compõem o espaço lusófono”. A pluralidade de sotaques e de géneros musicais, reflete uma panóplia de possibilidades sonoras na tentativa de sintetizar uma mediapaisagem sonora da Lusofonia.

Teresa Alves refere que, sendo a rádio o meio mais dotado de som, procurou sintetizar a sonoridade da Lusofonia em duas frentes: a rádio pública, “porque é no serviço público que encontramos, pelo menos em teoria, os princípios fundamentais da pluralidade e da diversidade nos média, conceitos chave para o tratamento da cultura lusófona”; e os programas de rádio produzidos para a diáspora, “onde se consolidam as representações sonoras do distanciamento e a afirmação de um sentimento de pertença à nação de origem que se pode traduzir em sotaques e produtos culturais musicais”.

A nova doutora refere que, sendo o Brasil o maior território de falantes de língua portuguesa e o país a quem muitos julgam caber a responsabilidade de assumir o estandarde da Lusofonia, o facto é que Portugal foi o catalisador da empreitada marítima que tornou o Português a língua oficial de lugares tão distantes uns dos outros, como Rio Grande do Sul e Timor-Leste. Nesse quadro, questiona: “existirá entre estes dois países um fluxo mediático mais intenso, reflexo de um interesse mais demorado um pelo outro, ou estaremos perante uma típica relação conjugal em que um parece estar mais apaixonado do que o outro?”. Para responder a estas questões de investigação, foram analisados com profundidade alguns estudos de caso, nomeadamente programas na rádio pública sobre cultura lusófona em Portugal e no Brasil e programas de rádios produzidos para a diáspora portuguesa no Brasil, “de forma a registar um mapeamento sonoro das representações da cultura lusófona na rádio em ambos os países”.

O júri, que foi presidido pela presidente do ICS, Professora Doutora Helena Sousa, em representação do reitor da UMinho, é constituído por Luís António Santos e Pedro Portela, ambos professores auxiliares no Departamento de Ciências da Comunicação da UMinho e investigadores do CECS, Sílvio Manuel Rodrigues Correia dos Santos, professor auxiliar convidado do Departamento de Filosofia e Informação da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Nelia del Bianco, professora associada da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília (Brasil), para além da orientadora.

 

 

Texto: Vítor de Sousa

Fotos: Marta Barbosa