Verão com Ciência: duas escolas, 25 bolseiros

“Áfricas: mobilidade, violência, memória e criatividade” e “Escola de Verão em Comunicação e Cultura para o Desenvolvimento” são os nomes dos dois projetos do CECS inseridos no programa “Verão com Ciência”. Em funcionamento entre julho e outubro, a iniciativa tem como objetivo estimular o desenvolvimento de “Escolas de Verão”, com iniciativas integradas de I&D e formação superior presenciais. Neste contexto, foram atribuídas ao CECS 20 bolsas de investigação e 5 bolsas de iniciação à investigação.

João Sarmento, investigador do CECS e docente de Geografia no Instituto de Ciências Sociais da UMinho, é o responsável pela escola “Áfricas: mobilidade, violência, memória e criatividade“. Esta escola de verão, que detem 15 das 25 bolsas financiadas, procura dinamizar um olhar multidisciplinar a partir das ciências sociais, humanas e artes para, sobre e do continente africano, e dar formação específica sobre este território. Os objetivos são o da capacitação dos estudantes para o pensamento crítico, e de estratégias, métodos, objetos e temas de investigação. Desenvolvem-se conhecimentos e competências que permitam a conceção e o prosseguimento de um projeto autónomo de investigação, permitindo que os candidatos adquiram aptidões de pesquisa, de análise, de interpretação e de crítica de fontes, nesta fase sobretudo provenientes de arquivos digitais e de recursos presentes na universidade e no centro de investigação.

Lurdes Macedo, investigadora do CECS, coordena a “Escola de Verão em Comunicação e Cultura para o Desenvolvimento” que procura problematizar as funções sociais da comunicação e da cultura num mundo pós-industrial. Os 10 bolseiros da escola irão, também, refletir sobre as práticas empreendidas em projetos de planeamento estratégico para o desenvolvimento. Podendo ser utilizadas a diversos níveis nestes contextos, a comunicação e a cultura são tidas em conta, a maior parte das vezes, mais pela sua natureza instrumental do que pela sua natureza transformadora face aos processos de intervenção e aos objetivos de mudança. O mesmo é dizer que os efeitos da persuasão são largamente mais explorados do que as virtudes da capacitação, quando se planeiam as funções sociais da comunicação e da cultura em projetos de desenvolvimento. Experiências e reflexões críticas sobre este tipo de intervenções serão partilhadas por vários dos formadores dos seminários desta Escola de Verão.

 

[Publicado: 03-08-2020]