Seminário de Comunicação e Diversidade: “A viragem decolonial na arte brasileira”

No dia 27 de junho, pelas 14h00, decorrerá o seminário “A viragem decolonial na arte brasileira”, com a participação de Alessandra Simões Paiva, docente na Universidade Federal do Sul da Bahia (Brasil) e investigadora visitante na Universidade de Leeds (Reino Unido), e moderação de Patricia Posch, investigadora colaboradora do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (Portugal).

O evento abordará a transformação singular em curso no sistema da arte contemporânea brasileira, que tem visto um crescimento exponencial de trabalhos que tratam de questões de raça, etnia, classe, género e geopolítica. Estas obras sinalizam uma mudança radical na estrutura deste sistema, definida como a viragem decolonial na arte brasileira. O webinário pretende perspetivar este fenómeno no campo das artes visuais a partir de um viés teórico multidisciplinar e atento à seguinte questão: poderá a insurgência das poéticas decoloniais pressionar o sistema artístico brasileiro, provocando uma mudança realmente efetiva nos modos de operação das suas instituições, tornando-as mais inclusivas e democráticas?

Alessandra Simões Paiva trabalha como crítica de arte há três décadas. Atualmente, é docente na Licenciatura Interdisciplinar em Artes e suas Tecnologias e no Programa de Pós-Graduação em Ensino e Relações Étnico-Raciais na Universidade Federal do Sul da Bahia, no Brasil, e investigadora visitante na Universidade de Leeds (Reino Unido). A sua pesquisa foca-se na relação entre as artes visuais latino-americanas e a temática da “decolonialidade”, com ênfase nas práticas estético-políticas, colectivas e colaborativas, entendidas como força integradora e radicalizadora dos movimentos sociais contemporâneos, nos espaços rurais e urbanos. É membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte (ABCA), da Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA) e do European Network of Brazilianists Working in Cultural Analysis (REBRAC/UK). Autora do livro “A viragem decolonial na arte brasileira” (Editora Mireveja, 2022). Escreve para a revista ArtNexus e é vencedora do Prémio Jovem Crítica (AICA/2012) e do Prémio Gonzaga Duque (ABCA/2023).

Patricia Posch é investigadora colaboradora no Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (Universidade do Minho, Portugal), investigadora no grupo de pesquisa Arte, Cultura e Poder (UERJ, Brasil) e colaboradora no grupo de pesquisa Diaspotics (UFRJ, Brasil). Doutorada em Estudos Culturais, o seu interesse de pesquisa está centrado em temas sobre cultura, comunicação, cultura visual e arte, dedicando-se à investigação no âmbito das migrações transnacionais, da comunicação intercultural e da arte contemporânea. Atualmente, é co-coordenadora do Grupo de Trabalho em Cultura Visual da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação (SOPCOM) e membro do projeto “Migrações, média e ativismos em língua portuguesa: descolonizar paisagens mediáticas e imaginar futuros alternativos”.

Uma iniciativa organizada pelo GT em Cultura Visual da SOPCOM, em parceria com o Seminário de Comunicação e Diversidade (SCD) da Universidade do Minho e o projeto “Migrações, media e activismos em língua portuguesa: descolonizar paisagens mediáticas e imaginar futuros alternativos”.

[Publicado: 07-06-2024]